Mundo Vino

Consumo diário de vinho passa por nova análise e limite cai pela metade

Novas diretrizes podem reduzir o limite diário de vinho nos Estados Unidos


 

Um painel de especialistas disse que o limite diário de álcool para os homens deveria ser reduzido pela metade como parte de uma atualização das “Diretrizes Alimentares dos Estados Unidos para Americanos”. O limite para os homens deve ser reduzido de duas doses para uma, nos dias em que o álcool é consumido, disse o Comitê Consultivo de Diretrizes Dietéticas. O indicado para mulheres já é apenas uma dose. Nas diretrizes atuais, uma dose equivale a cerca de 150 ml com 12% álcool.

LEIA MAIS

» Vinho contribui para a saúde mental - o consumo moderado traz inúmeros benefícios

» Para beber e viver melhor

O Dietary Guidelines Committee disse em seu relatório: “Embora o álcool possa ser consumido em níveis baixos com risco relativamente baixo, para aqueles que optam por consumir álcool, as evidências apontam para uma regra geral de que beber menos é melhor para a saúde do que beber mais.”

O comitê disse que ainda há necessidade de reduzir o consumo de álcool, que é responsável por cerca de 100.000 mortes anualmente nos Estados Unidos. Segundo ele, 88.000 mortes por ano são devido ao “consumo excessivo de álcool” e que a taxa de mortalidade para os homens em tais casos era o dobro da das mulheres.

O Wine Institute, com sede na Califórnia, criticou a falta de evidências citadas pelo painel para a mudança proposta. Ele disse que o comitê encontrou apenas um relatório que examinou a diferença entre uma e duas doses em homens. “Isso está longe de ser a preponderância de evidências que seriam necessárias para reverter décadas de orientação dos Estados Unidos que definem um homem adulto que toma duas taças de vinho em uma refeição familiar como beber com moderação”, afirmou o instituto.

» Receba as notícias da ADEGA diretamente no Telegram clicando aqui  

 

Da redação

Publicado em 18 de Outubro de 2020 às 18:00


Notícias Consumo Moderação Vinho Saúde

Artigo publicado nesta revista