Espumante

Coupe, Flûte e Tulipa: as taças para espumante

A coupe e a flûte foram taças muito utilizadas para servir champagne. Agora é a tulipa que assume papel destaque com o espumante


O Champagne como vinho espumante surgiu no começo do século XVIII e, naquela época, era servido nas mesmas taças de qualquer outro tipo de vinho – geralmente baixas e de formato cônico, com haste pequena ou mesmo sem haste. Os primeiros recipientes feitos pensando nessa bebida teriam surgido em 1755 na Inglaterra, com cones em formatos mais alongados. Pouco mais tarde, em 1773, juntando-se com hastes mais longas, eles passaram a ser conhecidos como “flûtes à Champagne”. No entanto, essa moda só chegou à França em 1800. Além disso, a palavra “flûte” só apareceu no dicionário em 1820.

Apesar de a coupe – a famosa taça baixa cuja lenda diz ter sido moldada no seio de Maria Antonieta – já existir há muito tempo, ela só passou a ser mais utilizada para o serviço de Champagne nos anos 1830. Ou seja, ao contrário do que muitos acreditam, o uso da flûte para os espumantes é anterior ao da coupe. Até então, ela servia como recipiente para a sobremesa. Aliás, acredita-se que a taça teria sido desenvolvida exatamente para exaltar o estilo da bebida na época – que era doce e servia como vinho de sobremesa.

Leia também:

+ Como escolher minha primeira taça

+ Qual taça ideal para cada tipo de vinho?

A tulipa é a taça ideal para espumantes?

De qualquer forma, houve uma disputa intensa entre flûte e coupe, até que a
flûte passou a ter a preferência já por volta da década de 1960. E, apesar de os
formatos tulipa serem relativamente comuns desde os anos 1930, só recentemente começaram a ser vistos como os ideais para os espumantes, especialmente depois que os principais produtores pesquisaram e desenvolveram recipientes que acreditavam ser os melhores para suas bebidas.

COMO SERVIR ESPUMANTE?

[Colocar Alt]

A coupe, que durante muitos anos chegou a ser sinônimo de taça de espumante, hoje é completamente descartada. “Ela deve ser proibida”, chega a dizer um informativo do Comitê Champagne

Segundo as pesquisas do professor da Universidade de Reims, Gérard
Liger-Belair, as borbulhas possuem função mais do que apenas estética
em um espumante, portanto, seria interessante preservá-las ao máximo
na hora de servir, não? Dessa forma, em novo estudo realizado em
2013, o físico e sua equipe testaram duas formas de servir o líquido. A
primeira despejando diretamente no centro da taça. A segunda, vertendo
cuidadosamente sobre a lateral do copo (como costuma-se fazer com a
cerveja). Os resultados mostraram que esta segunda maneira teve muito
menos impacto na concentração de dióxido de carbono dissolvido na bebida, ou seja, ajuda a preservar as bolhas. Outra constatação (mais óbvia) foi a de que servir a bebida em temperaturas mais baixas (entre 4o e 6oC) também preserva a efervescência.

Da redação

Publicado em 30 de Abril de 2019 às 13:00


Notícias Espumante taça para espumante champagne taça tulipa taça Coupe taça Flûte

Artigo publicado nesta revista