Revista ADEGA
Busca

Luto na Itália

Mestre de Amarone, Franco Allegrini morre aos 65 anos

Allegrini é conhecido como um dos profissionais que incorporou uma série de melhorias e ajudou a criar o moderno Amarone


Franco Allegrini assumiu o controle da vinícola familiar em 1983 - Crédito: Colin Dutton
Franco Allegrini assumiu o controle da vinícola familiar em 1983 - Crédito: Colin Dutton

Franco Allegrini, um dos vinicultores mais influentes do norte da Itália, morreu aos 65 anos, após uma batalha de anos contra o câncer. Allegrini é conhecido como um dos profissionais que incorporou uma série de melhorias e ajudou a criar o moderno Amarone

“Franco não era apenas um gênio, mas um homem de coração – um homem bom, um homem generoso, um homem honesto e um homem de família”, diz Roberto Anselmi, um conhecido enólogo de Soave e grande amigo de Allegrini.

Franco, sua irmã Marilisa e seu irmão mais velho, Walter, assumiram o comando de uma modesta propriedade familiar em 1983 com a morte de seu pai, Giovanni. O papel de Franco inicialmente se concentrou na adega, mas com a morte prematura de Walter em 2003, ele também assumiu a gestão da agricultura da propriedade.

“Franco foi um revolucionário pela qualidade. Ele fez sua parte em uma época em que Valpolicella não era famosa como hoje”, diz Fausto Maculan, produtor de Veneto em Breganze entre Verona e Veneza.

Sua contribuição mais visível para a paisagem de Amarone foi seu trabalho construindo Terre di Fumane, uma instalação de secagem de última geração e centro de pesquisa de 54.000 pés quadrados, inaugurado em 1997 com o objetivo de aprimorar o processo de appassimento por meio de monitoramento e controlando moldes, temperatura e fluxo de ar.

“Uma coisa que ele entendeu foi como produzir Amarone de qualidade, cheio de frutas e prazer e não excessivo, oxidado, tipo Porto ou geleia”, disse Maculan.

Franco deixa sua esposa, Marilena, e três filhos: Francesco, que trabalha nos setores de vendas e marketing da Allegrini, e Matteo e Giovanni, que trabalham nas operações de viticultura e vinificação da empresa.

“Franco sempre dizia: 'Quando eu morrer, quero que meus amigos façam uma festa louca', disse Anselmi. “Mas eu não quero fazer uma festa. Estou cheio de lágrimas.”

André De Fraia
Publicado em 27/04/2022, às 04h10 - Atualizado às 08h00


Mais Mundovino