Mundovino

Pesquisadora espanhola consegue reduzir o grau de álcool do vinho sem afetar suas propriedades sensoriais

Alda João Sousa Rodrigues lidera grupo de pesquisa do Instituto de Ciências da Vinha e do Vinho


O aquecimento global está afetando a vitivinicultura por todo o globo e, segundo estudos, uma das consequências mais notáveis é o aumento do volume de álcool dos vinhos. Por isso, diversos pesquisadores estão buscando soluções para baixar o teor alcoólico sem prejudicar outras propriedades da bebida. Recentemente, um grupo de pesquisa do Instituto de Ciências da Vinha e do Vinho (ICVV) em Rioja, Espanha, apresentou uma proposta de redução do teor alcoólico dos vinhos sem diminuir as suas propriedades sensoriais. A técnica atinge reduções de até 3 e 4 graus no laboratório (microvinificações) e entre 1 e 2 graus em maior escala (tanques de 30 litros).

Leia mais:

Famílias Torres e Jackson criam grupo de trabalho sobre clima 

Produtor de Chablis é contra instalação de turbinas eólicas em vinhedos

Representantes da indústria do vinho se reunem em conferência climática

Alda João Sousa Rodrigues, biotecnologia geneticista, é responsável pela tese de doutorado “Características fisiológicas da Saccharomyces cerevisiae e espécies alternativas de levedura em relação à redução do teor de álcool de vinho”, um trabalho que o grupo “MicroWine” do ICVV continuará a investigar. “As perspectivas de sua aplicação prática na indústria vinícola são muito interessantes. Identificamos três genes de levedura cuja eliminação reduz significativamente a produção de ácido acético e já temos duas cepas muito promissoras”, afirmou a pesquisadora.

Alda diz que foram feitas provas dos vinhos resultantes e eles não têm mostrado “perda significativa de qualidade ou características organolépticas, assim a porta está aberta para começar a trabalhar com vinificações em nível industrial”.

Embora já existam técnicas e máquinas para tirar o álcool dos vinhos, a proposta é muito menos agressiva e ajuda a manter conceitos importantes como o terroir ou o próprio perfil do vinho original: “É preciso ser desenvolvida, mas é uma técnica disponível para praticamente todos, não tem impacto econômico, então acredito que pode ter resultados importantes”, afirmou Alda.

Da redação

Publicado em 20 de Maio de 2019 às 12:00


Notícias aquecimento global vinho e clima mudanças climáticas Instituto de Ciências da Vinha e do Vinho ICVV

Artigo publicado nesta revista

Supertoscanos

Revista ADEGA 162 · Abril/2019 · Supertoscanos

Os revolucionários que mudaram a história e se tornaram clássicos + seleção de imperdíveis