Grand Châteaux

Pontet-Canet: o Bordeaux biodinâmico

Pontet-Canet é o único entre os Châteaux da classificação de 1855 a receber a certificação de biodinâmico


"Reine”, “Sans Souci”, “Surprise” e “Ulysse” são nomes quase tão conhecidos no Château Pontet-Canet como Cabernet Sauvignon, Merlot, Cabernet Franc e Petit Verdot, as quatro variedades plantadas em seus 81 hectares (120 no total) de vinhedos. Eles identificam quatro dos cavalos da raça Bretão utilizados para trabalhar a terra de um modo mais suave do que se fossem empregados tratores, evitando a compactação do solo e facilitando o desenvolvimento das raízes das vinhas.

O Pontet-Canet, nem seria preciso dizer, segue os princípios da agricultura biodinâmica. E em 2010 tornou-se o único Château classificado de Bordeaux a receber certificação oficial como biodinâmico, embora essa informação não conste do rótulo de seus vinhos. “A motivação não é ser orgânico, mas fazer vinhos melhores”, explicou Alfred Tesseron, 66 anos, proprietário do Pontet-Canet junto com o irmão Gérard. É ele quem comanda o Château (o irmão não participa da administração), coadjuvado, nos últimos anos, pela sobrinha Mélanie, filha de Gérard.

Leia mais:

Bordeaux: o terroir da excelência

Como decifrar rótulos franceses?

Os vinhos biodinâmicos da Borgonha

Os Tesseron são apenas a terceira família de proprietários do Pontet-Canet, outro caso raro em Bordeaux, que tem assistido a frequentes mudanças de controle nos últimos anos, especialmente com a entrada no mercado de compradores chineses e japoneses. O Pontet-Canet nasceu no início do século XVIII, quando Jean François de Pontet, cavaleiro real, foi apontado governador do Médoc e juntou vários lotes de terra para formar a propriedade. Mais tarde, os descendentes de Pontet agregaram novas parcelas de vinhedos de uma região vizinha conhecida como Canet.

Em 1855, já nomeado Pontet-Canet, ele foi um dos 18 Châteaux incluídos no quinto e último nível (Cinquième Cru) da famosa classificação dos vinhos de Bordeaux. Dez anos depois, a propriedade, incluindo o “castelo” propriamente dito (na verdade uma grande construção com teto de ardósia, comum na região), foi comprado por Herman Cruse, na época um dos principais negociantes de vinhos da região e permaneceu por mais de cem anos nas mãos dessa tradicional família. Embora tenham construído uma nova adega e modernizado as instalações, os Cruse eram essencialmente negociantes. Por isso, e seguindo o que era uma praxe que só foi rompida quando o barão Philippe de Rothschild deu início ao engarrafamento no Château, o Pontet-Canet era estocado nos armazéns da Cruse em Bordeaux e engarrafado pelo próprio negociante para posterior distribuição.

Filho versus pai

A história ganha novo rumo em 1975, ano em mudou de mãos pela terceira vez. O comprador foi Guy Tesseron, ele próprio um grande negociante de Cognac, que já era proprietário do Château Lafon-Rochet, um Quatrième Cru de Saint-Estèphe. Dois anos depois da compra, Guy convocou o filho Alfred para ajudá-lo a administrar a propriedade recém-adquirida. Alfred, que estudara enologia, trabalhava na área de vendas e marketing de um importador de vinhos de Bordeaux nos Estados Unidos. Ele atendeu o chamado, mas as diferenças entre sua visão e a de seu pai, sobretudo em relação ao que deveria ser feito para melhorar a qualidade do vinho, ficaram evidentes.

O ponto culminante dessa discórdia foi a decisão de Alfred, em 1990, de fazer, pela primeira vez e sem que o pai soubesse, uma poda verde nos vinhedos, para reduzir o rendimento e aumentar a concentração das uvas. Em favor de Guy, deve ser dito que pelo menos reconheceu os resultados obtidos, confiando inteiramente a gestão do Château ao filho a partir de 1997. Esse reconhecimento tornou-se oficial quando ele dividiu as duas propriedades no Médoc entre os quatro filhos, antes de morrer em 2003: Caroline e Michel ficaram com o Lafon-Rochet; Alfred e Gérard com o Pontet-Canet, sob o comando do primeiro, que também dirige o negócio de Cognac.

Quatro cavalos da raça Bretão trabalham a terra do vinhedo, que está sob cultivo biodinâmico desde 2005


O Pontet-Canet tem localização privilegiada em Pauillac. Praticamente vizinho do Mouton-Rothschild e do d’Armaillac, que também pertence aos Rothschild, fica a menos de mil metros do rio Gironde. Numa região praticamente plana, parte de seus vinhedos, a apenas 30 metros acima do nível do mar, são um dos pontos mais altos da famosa denominação, que, além do Mouton, tem mais dois vinhos (Latour e Lafite-Rothschild) no seleto grupo de cinco premier crus classificados. O solo é pobre, como convém a um vinhedo destinado a produzir vinhos de alta qualidade: areia e cascalho na superfície, argila e calcário no subsolo. Um custoso sistema de drenagem, construído já sob a gestão de Alfred, contribui para que o rendimento de cada planta seja muito baixo, inclusive porque as vinhas mais velhas têm 45 anos. Além disso, ele aumentou progressivamente a densidade dos vinhedos, hoje em torno de 9.500 plantas por hectare, e dividiu-os em 92 parcelas, que são acompanhadas individualmente.

Ovos de concreto e ânforas de argila

[Colocar Alt]

Além de adotar a biodinâmica,
o Château passou a usar ovos de
concreto e ânforas, feitas com
matéria-prima da propriedade

Mas, de longe, a maior e mais arriscada aposta de Alfred foi na conversão dos vinhedos para a biodinâmica. Para isso, ele contou com um parceiro entusiasmado em Jean-Michel Comme, responsável nos últimos 25 anos tanto pela viticultura como pela enologia no Pontet-Canet. Essa última conta também, desde 1999, com a consultoria do onipresente Michel Rolland, hoje membro do próprio Conselho de Administração do Château.

O processo de conversão foi conduzido por etapas, ao longo de vários anos, com a eliminação progressiva do uso de herbicidas e pesticidas no campo e a adoção de um processo de vinificação o mais natural possível. Assim, são utilizadas apenas leveduras nativas e toda a movimentação do mosto é feita por gravidade, sem uso de bombas. Em 2005, todo o vinhedo já estava sob cultivo biodinâmico, mas a certificação foi atrasada por uma decisão tomada em 2007, da qual Tesseron hoje se arrepende. Naquele ano, os vinhedos foram seriamente atacados pelo míldio. Temendo perder toda a colheita, ele determinou a pulverização de pesticida contra o fungo. Foram necessários outros três anos sem uso de produtos químicos para que, finalmente, o Pontet-Canet pudesse ser certificado oficialmente como biodinâmico.

[Colocar Alt]

Nas safras 2009 e 2010, o vinho recebeu nota máxima de Robert Parker

O uso de cavalos para movimentar a terra é o lado mais “folclórico” dessa transformação (por sinal, hoje, esse exemplo já foi seguido por outros conhecidos Châteaux da região). Mas é apenas a parte mais visível de um processo muito mais radical. O prédio original da vinícola, do século XIX, com uma estrutura de ferro inspirada no trabalho de Gustave Eiffel, foi ampliado, com a construção de uma nova sala de barricas. Nela, foram instalados 16 barris de madeira, nos quais ocorre a fermentação malolática, e 32 de concreto, com oito mil litros de capacidade cada. No piso superior ficam as mesas de seleção. A penúltima novidade, em 2010, foi a inclusão dos famosos ovos de concreto. A mais recente (2012) e, talvez, mais revolucionária para um grande Château de Bordeaux, foi passar a usar ânforas de argila de 900 litros para amadurecer parte do vinho. Elas foram produzidas especialmente para o Pontet-Canet com matéria-prima obtida na própria propriedade. Um dos resultados esperados é aumentar a mineralidade no vinho, mas só o futuro dirá.


O vinhedo, com cerca de 9.500 plantas por hectare, é dividido em 92 parcelas, que são acompanhadas individualmente

Os Tesseron são a terceira família proprietária do Château. Alfred (foto) comanda o lugar ao lado da sobrinha Mélanie e do enólogo Jean-Michel Comme

O vinho

O Pontet-Canet produz apenas dois vinhos: o principal e o Hauts de Pontet-Canet, comercializado pela primeira vez em 1982. Segundo Alfred Tesseron, a intenção é que cada vez mais parcelas do vinhedo possam contribuir para o primeiro vinho, ou seja, o objetivo não é aumentar a produção do segundo. Basicamente, os dois vinhos são um corte de Cabernet Sauvignon e Merlot, cuja presença no vinhedo é de, respectivamente, 62% e 32%, contra apenas 4% de Cabernet Franc e 2% de Petit Verdot. Como regra, o segundo vinho tem uma proporção maior de Merlot, já que é feito para ser bebido mais jovem. Na safra 2010, por exemplo, o vinho principal tem 65% de Cabernet Sauvignon, 30% de Merlot, 4% de Cabernet Franc e 1% de Petit Verdot. No Hauts de Pontet-Canet, muda apenas a proporção das duas primeiras (60% x 35%). Outra diferença é que o primeiro vinho amadurece em média 16 meses em carvalho, sendo 60% novo. No Hauts são apenas 12 meses em barricas de segundo uso. A produção do primeiro gira em torno das 25 mil caixas; a do segundo, não chega a 20 mil.

Pontet-Canet tem localização privilegiada em Pauillac, e é vizinho dos Châteaux Mouton-Rothschild e d’Armaillac

[Colocar Alt]

O prédio original da vinícola é do século XIX e tem uma estrutura de ferro inspirada no trabalho de Gustave Eiffel

Em 2012, numa decisão surpreendente para os padrões de Bordeaux, o Hauts de Pontet-Canet teve negado pelo comitê de provadores o direito de usar a denominação Pauillac no rótulo e foi vendido simplesmente como “Vin de France”. Talvez por isso, não tenha sido produzido na dificílima (pelas condições climáticas) safra de 2013. Em compensação, o Pontet-Canet 2013 foi bem pontuado, confirmando resultados que vem obtendo sob a gestão de Alfred e, agora também, de Melanie Tesseron. Mesmo que ainda seja cedo para avaliar o impacto de todas as mudanças realizadas, principalmente da conversão total à biodinâmica, vale lembrar que, nas duas melhores safras dos últimos tempos em Bordeaux (2009 e 2010), o vinho principal recebeu nada menos que 100 pontos do famoso crítico Robert Parker, considerado um especialista em Bordeaux. Ainda que outros Châteaux tenham recebido nota máxima nessas duas safras, não deixa de ser um feito para um “modesto” Cinquième Cru, que obviamente comanda preços bem menores (60 euros no lançamento das safras de 2012 e 2013) do que o de seus vizinhos mais famosos.

Veja também:

Vinificação em ovos de concreto

A degustação de 1000 pontos de Bordeaux

Guilherme Velloso

Publicado em 30 de Abril de 2019 às 19:00


Notícias Château Pontet-Canet certificação biodinâmico Reine Sans Souci Surprise Ulysse Tesseron Guy Tesseron Bordeaux

Artigo publicado nesta revista