Mundo Vino

França e Espanha se juntam no desenvolvimento de viticultura resistente às mudanças climáticas

Os dois países irão trabalhar em novas técnicas e métodos para se antecipar aos possíveis problemas


 

França e Espanha se unem para buscar novas formas de adaptar a vitivinicultura às mudanças climáticas

Os governos da França e da Espanha anunciaram que irão trabalhar juntos em um projeto que visa encontrar novas técnicas e métodos na vitivinicultura que tornem as plantas mais resistentes às mudanças climáticas e possam assegurar as características e qualidade dos vinhos.

Chamada de VITISAD, a pesquisa terá a duração inicial de 32 meses e fará estudos em cinco áreas da viticultura: solo, irrigação, proteção do vinhedo contra altas temperaturas, uso de fertilizantes orgânicos contra as mudanças climáticas e uma análise genética das castas para determinar quais são mais resistentes ou adaptáveis à climas extremos.

Muitos estudos estão sendo feitos nessa área depois das fortes ondas de calor que atingiram a Europa nos últimos anos, até o famoso corte bordalês pode estar em xeque.

Como as mudanças climáticas afetam a viticultura

O aumento das temperaturas faz com que as uvas amadureçam cada vez mais rapidamente, alterando diversas características como a quantidade de açúcar, acidez, potencial fenólico entre outros. Assim, consequentemente, a qualidade e as características regionais do vinho podem mudar. Outro fator é o aumento das chuvas torrenciais que contribuem diretamente para a erosão do solo e ainda prejudicam o bom amadurecimento das uvas.

» 10 acessórios que todo amante de vinho deve ter

» Vendas En Primeur em Bordeaux podem ser afetadas pela pandemia

» Receba as notícias da ADEGA diretamente no Telegram clicando aqui  

André De Fraia

Publicado em 22 de Fevereiro de 2021 às 15:00


Notícias Espanha França Mudanças Climáticas Viticultura Vitivinicultura Vinho Estudo