Enoturismo

Dicas de enoturismo na França

Vinícolas imperdíveis para visitar em oito famosas regiões vitivinícolas francesas


As vinícolas que você precisa conhecer na França

Todo amante do vinho que visita alguma região da França, mesmo que seja à trabalho, logo pensa em passear por vinhedos conhecendo uma bela e atrativa vinícola, desfrutando de grandes vinhos. E na França, com regiões vinícolas espalhadas de norte a sul e leste a oeste do país, não importa onde você vá, certamente terá um vinhedo e uma vinícola perto de você. Então, assim que você tem a viagem programada, já pode ir vasculhando.

Para ajudar nessa busca, ADEGA apontou aqui oito das mais famosas regiões vitivinícolas francesas e indicou duas vinícolas de visita imperdível caso você esteja passando perto desses locais. Priorizamos “beleza” e “história” para fazer essa lista para quem quer verdadeiramente se deslumbrar seja com paisagens maravilhosas e ambientes acolhedores que muitas vinícolas proporcionam, ou então com o passado muitas vezes riquíssimo de alguns produtores centenários. E, obviamente, seus vinhos também são imperdíveis. Confira.

Leia mais:

O vinho da Alsácia na França

Como decifrar rótulos franceses?

+ Enoturismo em Champagne na França

Bordeaux

No sudeste da França está essa região vitivinícola mundialmente vinculada a seus históricos châteaux. O estuário de Bordeaux, nas margens do rio Garonne, é uma das mecas de todo enófilo. Lá estão incontáveis vinícolas, diversas históricas. Obviamente, as mais visadas são as que fazem parte da classificação de 1855. Algumas, porém, não são abertas ao público e, entre as que recebem visitantes, a maioria exige reserva prévia de horário – sendo que as mais requisitadas costumam ter seus horários lotados meses antes. Portanto, se há algum château que você queira muito conhecer, entre em contato primeiro para verificar a disponibilidade. Seguem duas dicas.

Château Pape Clement

[Colocar Alt]

Propriedade do magnata Bernard Magrez, o château que leva o nome em homenagem ao seu antigo proprietário, o papa Clemente V fica em Péssac, a 20 minutos do centro da cidade de Bordeaux. Além de uma arquitetura incrível, oferece alguns passeios que vão além do básico (conhecer a propriedade e provar vinhos), alguns com harmonização de queijos, outros com brincadeiras de criar um blend etc. Além disso, o château é um hotel com poucos quartos, mas que oferece uma experiência singular. 

Cos d’Estournel

[Colocar Alt]

Não muito longe de Lafite e Mouton-Rothschild (outras duas vinícolas que certamente valem a visita) fica o château de Cos d’Estournel, há pouco mais de uma hora de Bordeaux. Já é possível ver de longe os pagodes inspirados na arquitetura dos palácios orientais feitos a pedido de Louis-Gaspard d’Estournel, o “Marajá de Saint-Estèphe”. O interior é tão deslumbrante quanto e ainda há jardins decorados impressionantes, que dão vista para os vinhedos ao redor. A visita, não é preciso dizer, contempla todos esses encantamentos em cada detalhe. 

Champagne

A cerca de duas horas de Paris, na parte nordeste da França, fica Reims e, ao seu redor, a célebre região dos vinhos espumantes franceses, Champagne. Em Reims e Épernay, provavelmente seus dois principais centros, estão localizadas as casas mais famosas do mundo. A Avenue de Champagne, em Épernay, por exemplo, concentra diversas. Um dos grandes atrativos delas são suas intermináveis caves subterrâneas que abrigam milhões de garrafas. A maioria costuma ser aberta ao público, muitas sequer precisam de reserva (tamanha a frequência de visitantes, há horários escalonados por ordem de chegada), mas é sempre bom fazer contato antes. Confira duas casas belíssimas.

Deutz

[Colocar Alt]

Essa encantadora casa fica em Aÿ. Em uma primeira vista, por fora, talvez não se perceba muito do seu encanto, que apenas a estátua do cupido (uma de suas cuvées recebe o nome de Amour) em um jardim central denuncia. A decoração do interior é esplendorosa, rica em detalhes, assim como seu delicado jardim que leva ao centro de produção e também à entrada das caves. Ao final, uma escada iluminada por velas leva à uma antiga sala em que é feita a degustação. As visitas são restritas, faça contato prévio.

Billecart Salmon

[Colocar Alt]

Também para os lados de Aÿ, em Mareuil-sur-Aÿ, encontra-se a casa Billecart Salmon, famosa por seus espumantes rosés. Além disso, a propriedade ostenta um jardim que tem sido xodó da família Billecart desde o começo do século XX. A casa familiar é elegante e as caves históricas. Ao lado da casa está o célebre Clos de Saint-Hilaire, que dá origem a uma cuvée especial.

Provence

No sudeste do país fica essa região consagrada pelos seus vinhos rosés e também por estar perto dos principais balneários franceses, a belíssima Côte d’Azur, que abarca territórios entre Marselha e Nice. É ao redor desse ambiente idílico que nascem alguns dos vinhos mais delicados da França e aí também se encontram algumas propriedades fascinantes, de beleza ímpar. Destacamos aqui duas verdadeiramente impressionantes.

Château Roubine

[Colocar Alt]

No meio do caminho entre Marselha e Nice, o Château Roubine é uma propriedade histórica da Provence e uma das mais belas. Além da vinícola, o local abriga um pequeno e charmoso hotel, assim como o espaço frequentemente recebe exposições de arte. Ou seja, além da visita, você ainda pode se hospedar no local e viver alguns dias bucolicamente. As visitas precisam ser agendadas. 

Château La Coste

[Colocar Alt]

Onde você pode caminhar e se deparar com uma obra de Louise Bourgeois, uma intervenção de Frank Owen Gehry, design de Tadao Ando, entre outros, e isso acompanhado de uma maravilhosa vista de vinhedos, com restaurantes de alto padrão, biblioteca etc. Pois é, o Château La Coste é uma vinícola que fica na comuna de Le PuySainte-Réparad, não muito distante de Aix-en-Provence. Definitivamente, é uma visita fascinante, em todos os aspectos.

Loire

Vinhos e castelos, quer combinação melhor? No vale do Loire, a pouco mais de uma hora de Paris, estão alguns dos mais famosos castelos da França, em uma sequência de monumentos históricos que deixam qualquer visitante estonteado. Na mesma região, encontram-se também vinhedos e vinícolas de denominações como Sancerre, Anjou, Touraine, Poully-Fumé, até a mítica Savennières Coulée de Serrant, por exemplo. É uma ótima pedida fazer um passeio ao longo do rio Loire e seus afluentes, mesclando visitas aos castelos com paradas em vinícolas. Confira duas excelentes opções.

Château Soucherie

[Colocar Alt]

Este hotel/château faz parte do Domaine de la Soucherie e fica não muito distante de Angers, meio do caminho entre Tours e Nantes, duas das principais cidades do vale do Loire. Além da hospedagem em frente a uma paisagem fenomenal e convivendo com uma arquitetura de extremo bom gosto, o château oferece uma série de “visitas”, desde as mais simples até jantares, em programas que podem durar poucas horas ou o dia todo.

Château des Vaults

[Colocar Alt]

Parte do Domaine du Closel, o Château de Vaults fica em Savennières, não muito distante de Angers. Repleto de história, ele foi construído no século XVII e hoje pertence aos descendentes da família do biógrafo de Napoleão, Emmanuel de Las Cases. Além do château em si, com sua grandiosa arquitetura e decoração, ao redor há um jardim arborizado bem no estilo dos grandes castelos da região. Vale a pena passar uma tarde de sol saboreando um belo branco apreciando os sons da natureza.

Não deixe de conferir:

Vinho é o grande segredo da saúde na França

Provence: a província preferida dos romanos

Vale do Loire: a sintonia entre vinhos e castelos

Borgonha

Assim como Bordeaux, a Borgonha está no subconsciente de quase todos os enófilos. Suas tradições, seu emaranhado de vinhedos, sua história, fascinam todos os que se aventuram pela inesquecível Côte d’Or. Dijon, Beaune e as diversas vilas que abarcam alguns dos vinhedos mais famosos do mundo como Romanée-Conti, Musigny, Montrachet etc., atraem enófilos de todas as partes que fazem questão de ver de perto o local de onde surgem vinhos míticos. De certa forma, na Borgonha, é mais fácil conhecer vinhedos do que produtores, pois nem sempre a vinícola de um produtor estará ao lado de um determinado vinhedo com o qual ele produz alguns de seus vinhos. Apontamos aqui dois locais interessantes para visitar.

Château du Clos de Vougeot

[Colocar Alt]

O Clos de Vougeot, no meio do caminho entre Dijon e Beaune, é um dos vinhedos mais célebres da Borgonha, sendo o maior clos, ou seja, o maior vinhedo murado da região. É um dos poucos vinhedos que possui um château, usado pelos monges na Idade Média para produzir vinho. Hoje, ele é apenas um monumento histórico que merece ser visitado, assim como seu vinhedo, repartido em dezenas de produtores, pode ser apreciado. 

Caves Patriarche

[Colocar Alt]

Quando se fala em caves subterrâneas na França, geralmente lembramos de Champagne, mas no coração da Borgonha, no centro de Beaune, também há um grande labirinto de 5 quilômetros de caves, as Caves Patriarche. São túneis históricos, localizados no antigo Convento dos Visitandinos, alguns dos quais remontam ao século XIII. A vinícola Patriarche foi fundada em 1780 e essas caves guardam mais de três milhões de garrafas.

Languedoc-Roussillon

Esta é uma região muitas vezes relegada a segundo plano quando se fala da vitivinicultura na França. No entanto, cada vez mais os consumidores estão redescobrindo seus vinhos. Essa região ao sul da França, na divisa com a Espanha, tem Montpellier como cidade principal, e ainda abarca locais históricos como Carcassonne, por exemplo. Há uma infinidade de paisagens, do mar à mon - tanha, assim como é a oferta de vinhos, desde espumantes, passando por brancos, rosés, tintos e até doces. Confira duas boas opções de visita.

Château l’Hospitalet

[Colocar Alt]

Uma mistura de hotel com centro de eventos, vinícola e restaurante, o Château l’Hospitalet oferece um vasto leque de atividades para quem se aventurar pelos lados de Narbonne. Ele faz parte das propriedades de Gérard Bertrand, que possui diversas no sul da França. O belíssimo local tem ótima estrutura além de não estar muito distante do litoral. Vale a pena explorar a região. 

Château de Flaugergues

[Colocar Alt]

Em Montpellier fica um magnífico château construído no século XVII, com arquitetura deslumbrante e decoração de época fantástica (especialmente as tapeçarias), além de um jardim impecável. O Château de Flaugergues é também uma vinícola, que possui um belo restaurante e oferece uma visita acolhedora.

Alsácia

Uma das regiões mais “disputadas” da França, a Alsácia já trocou de mãos algumas vezes na história, sendo anexada pela Alemanha em algumas ocasiões. Não à toa, a região tem forte influência alemã, desde a arquitetura até os costumes e gastronomia. O clima também favorece, assim como na vizinha Alemanha, as uvas brancas, especialmente a Riesling, que floresce ao longo das margens do Reno. Cidades como Estrasburgo, Colmar, Riquewir, entre outras, têm grande apelo histórico. Muitos dos produtores consagrados não possuem vinícolas portentosas, deixando seus principais atrativos para o vinho.

Domaine Weinbach

[Colocar Alt]

Não muito distante de Colmar, no sopé da colina de Schlossberg, cercado por vinhedos, está a bela propriedade do Domaine Weinbach. A vinícola se estabeleceu em 1612 no que era um mosteiro de frades capuchinhos. As vinhas até hoje são cercadas por muros antigos e recebem o nome de Clos des Capucins. Desde a Revolução Francesa, a propriedade está nas mãos da família Faller. 

Hugel

[Colocar Alt]

No centro da cidadezinha de Riquewihr (que ostenta arquitetura medieval considerada uma das mais belas da Alsácia) está a vinícola Hugel, uma das mais tradicionais da região. A empresa familiar remonta a 1639 e até hoje guarda foudres seculares, alguns entalhados ou trabalhados, como o mais antigo do mundo ainda em uso, batizado como Sainte Caterine, que data de 1715.

Rhône

As regiões vitivinícolas às margens do Rhône (Ródano) também estão entre as mais cultuadas da França, com denominações de origem como Hermitage, Châteauneuf-du-Pape ou Côte-Rotie, por exemplo. Vale lembrar que a filoxera, praga que devastou as vinhas no Velho Mundo em meados do século XIX, alastrou-se a partir de vinhedos próximos a Avignon. A região é repleta de encantos, com lindas paisagens, muita história, além de excelentes produtores de vinho, como os que citamos a seguir. 

Château de Beaucastel

[Colocar Alt]

A menos de 30 quilômetros de Avignon localiza-se o Château de Beaucastel, propriedade da família Perrin, uns dos mais tradicionais produtores do Rhône, especialmente de Châteauneuf-du-Pape. As caves e sala de barricas só podem ser visitadas com hora marcada. O ambiente bucólico ao redor, a rica história do château e a qualidade de seus vinhos fascinam.

Château d’Ampuis

[Colocar Alt]

Pouco ao sul de Vienne, não muito distante de Lyon, está um dos mais belos châteaux da Côte-Rotie, o Château d’Ampuis, antiga fortaleza construída nos séculos XII e XVI, às margens do rio Ródano. Em 1995, ele foi adquirido pela família Guigal, um dos mais conhecidos produtores da região, e então considerado monumento histórico nacional. O lugar é maravilhoso com sua arquitetura renascentista e amplo jardim.

Veja também:

Dicas para diversas opções de enoturismo

+ Vinhos franceses avaliados pela ADEGA

ASSINE JÁ A REVISTA ADEGA. DESCONTOS DE ATÉ 76% 

Arnaldo Grizzo

Publicado em 16 de Novembro de 2019 às 12:00


Notícias Enoturismo França vinhos franceses Bordeaux Borgonha Rhône Loire Champagne Provence Languedoc-Roussillon Alsácia

Artigo publicado nesta revista

Supertoscanos

Revista ADEGA 162 · Abril/2019 · Supertoscanos

Os revolucionários que mudaram a história e se tornaram clássicos + seleção de imperdíveis