PUBLIEDITORIAL

Os vinhos uruguaios decifrados

Confira as maravilhas produzidas no nosso vizinho ao sul


 

Uruguai, um país que é um espetáculo de natureza, gastronomia e enologia

Quando se fala de vinhos de qualidade, de novas tendências, de regiões que pulsam com rótulos que despertam curiosidade e um turismo que desperta a nossa ânsia de desbravar e conhecer novos e magníficos lugares na América do Sul, é bom ter em mente o Uruguai. Por não ter uma produção tão volumosa quanto Argentina e Chile, nosso vizinho ao sul às vezes é esquecido pelos apaixonados por vinho, no entanto, o Uruguai hoje é um dos lugares com atividade vitivinícola mais vibrante do mundo.

Se você ainda é daqueles que resume os vinhos uruguaios aos feitos com a variedade Tannat, melhor rever seus conceitos. Sim, essa é a variedade símbolo do país, pois foi e ainda é a principal em termos de cultivo e elaboração. Ela é uma das castas que melhor se adaptou ao clima da região, com enorme influência oceânica, o que faz com que suas temperaturas não sejam tão extremas quanto às de Mendoza e dos vales centrais do Chile, por exemplo. Todavia, a Tannat é apenas uma das facetas a serem descobertas nos vinhos uruguaios, que, ano após ano, vêm se destacando com novas castas, novas regiões, novos empreendimentos.

Apesar de estar em um momento resplandecente agora, vanguardista, engana-se quem pensa que a história da vitivinicultura uruguaia é recente. Ela remonta aos tempos da colonização, mas, sua “internacionalização” também é centenária, pois foi o imigrante basco Pascual Harriague quem, 1870, desenvolveu os primeiros Tannats de qualidade, que ganharam prêmios em salões de vinho pelo mundo. Aliás, ele foi um dos que primeiro trouxe a variedade para o Uruguai.

 

A história da Tannat no Uruguai

As regiões

Graças aos avanços da viticultura, a diversidade de uvas no Uruguai hoje é grande, mas a Tannat ainda é a casta mais plantada do país, com 1.600 hectares dos 6.000 de vinhedos. Vale lembrar ainda que o consumo anual de vinho no Uruguai é de 29 litros per capita – o mais alto dos países sul-americanos. Há vinhedos plantados em quase todas as regiões do país, de norte a sul, leste a oeste, com uma variedade enorme de vinhos de diferentes estilos. Confira aqui as principais:

  

Salto e Paysandú

O turismo

Outro ponto que não podemos deixar de lado quando falamos do Uruguai é o turismo. Se Punta del Este é um destino famoso já há muitos e muitos anos, que sempre atraiu turistas do mundo inteiro devido ao seu balneário luxuoso, mas recentemente é preciso acrescentar empreendimentos vitivinícolas e gastronômicos, também de alto padrão, entre os atrativos, não somente da região do entorno de Punta e da capital Montevidéu, mas com em várias outras região. Confira aqui algumas dicas para você aproveitar o melhor dos passeios uruguaios.

 

Região de Punta del Este (Maldonado)

Vinícolas

Os cerca de 6 mil hectares de vinhedos uruguaios são geridos por aproximadamente 900 produtores. A Tannat ocupa 27,6% dos vinhedos, seguida pela Moscatel de Hamburgo com 17,5%, Merlot com 11,2%, Ugni Blanc com 10,4% e Cabernet Sauvignon com 6%. A região de Canelones concentra 66,1% das plantações, seguida por Montevidéu com 11,9%, Maldonado com 6,9%, Colônia com 5,6% e San José com 4,8%. As vinícolas, obviamente, também se concentram nas regiões onde há mais quantidade de vinhas. Confira abaixo uma seleção de produtores e alguns de seus principais vinhos.

 

Viña Progresso

» Receba as notícias da ADEGA diretamente no Telegram clicando aqui  

 

Da redação

Publicado em 4 de Dezembro de 2020 às 14:30


Notícias Uruguai Vinho Gastronomia Enogastronomia Turismo Enoturismo